Entrada de imigrantes ucranianos põe hospitalidade da Polônia à prova

Inflação na Alemanha atinge máximo histórico de 7,4% em abril
17 de Maio, Dia Internacional contra a homofobia.

Entrada de imigrantes ucranianos põe hospitalidade da Polônia à prova

Varsóvia, — Se não fosse pelo conflito entre a Rússia e a Ucrânia, o prédio de escritórios da rua Woloska, nº 7, em Varsóvia, poderia ter sido demolido para dar lugar a um novo parque empresarial.

Hoje, é o lar de cerca de 400 refugiados ucranianos.

Neste edifício de oito andares, os escritórios foram transformados em quartos, um vestiário no primeiro andar é agora um parque infantil e o terceiro andar é usado por terapeutas e psicólogos visitantes.

Há também um quarto infantil no piso superior. Até o momento, três ucranianas deram à luz no prédio.

Existem cerca de 30 centros de acolhimento semelhantes apenas em Varsóvia para pessoas que fogem do conflito na Ucrânia.

A Polônia já recebeu mais de três milhões de ucranianos, segundo a Guarda de Fronteiras do país. Mais de 300.000 deles, incluindo 120.000 crianças, acabaram em Varsóvia, uma cidade com menos de 1,8 milhão de habitantes.

O influxo representa, sem dúvida, um enorme desafio tanto para o país quanto para sua capital.

Michalina Wieczorek, uma das duas funcionárias em tempo integral do centro, disse à Xinhua que a pandemia de COVID-19 representou um desafio para eles, já que infecções foram relatadas no prédio em março e abril.

“Nós os isolamos, testamos os outros e trazemos de volta aqueles que deram negativo”, disse ela.

O financiamento é outra dor de cabeça, segundo Wieczorek. Ela disse que se o fundo da União Europeia não chegar logo, será muito difícil para eles.

“Os preços estão altos, sem contar a inflação. Mas as pessoas continuam chegando”, acrescentou seu colega, Bartosz Domanski.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Polônia, Pawel Jablonski, disse em meados de abril que, diante da “maior crise de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial”, o ônus de ajudar os afetados pelo conflito “não deve ser suportado apenas pelos vizinhos da Ucrânia”.

Depois, há a falta de mão de obra.

Por enquanto, organizações não governamentais (ONGs) e voluntários ainda fornecem a maior parte do apoio. Muitos destes últimos tiram uma folga de seus empregos para ajudar no centro, o que é tudo menos sustentável a longo prazo.

A Ptak Warsaw Expo, o maior centro de exposições da Europa Central e agora um importante ponto de ajuda para os ucranianos que chegam à Polônia, já recebeu 65.000 deles desde o início do conflito Rússia-Ucrânia.

Dominika Pszczolkowska é pesquisadora de migração no Centro de Pesquisa de Migração da Universidade de Varsóvia. Seus interesses de investigação incluem políticas de migração e integração. Ela disse à Xinhua que os sistemas de saúde e educação da Polônia estão agora sob a mesma pressão.

“Mesmo antes do conflito, tínhamos uma escassez de professores muito severa”, disse ela. “Se você quiser adicionar 100.000 alunos, obviamente, a escassez será muito maior”.

A habitação é a mesma.

Encontrar abrigo temporário parece ser relativamente fácil para os ucranianos, mas “o problema é encontrar algo para um longo prazo, porque as pessoas hospedam pessoas por uma semana ou duas, mas essa não é a solução que pode durar meses”, disse Pszczolkowska.

“Pelo menos em Varsóvia, o mercado imobiliário já estava bastante apertado antes do conflito. E agora adicionamos cerca de 17 por cento dos habitantes da cidade. Então, eles têm dificuldade em encontrar apartamentos para alugar, mesmo que possam pagar, pois têm economias ou um trabalho”, acrescentou ela.

Devido a vários problemas, como questões de assimilação e integração, muitos refugiados ucranianos estão prestes a partir. De acordo com dados divulgados em meados de abril pelo escritório de coordenação de ajuda da Organização das Nações Unidas, mais de 870.000 ucranianos que fugiram para o exterior desde fevereiro já retornaram ao seu país de origem, e cerca de 30.000 ucranianos estão voltando para a Ucrânia diariamente.

 

Fonte: Agência Xinhua

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *