IBGE: mulheres somavam 52,2% da população no Brasil em 2019
Governo institui sistema de crédito facilitado para microempresas

Novo Tibet, o “Teto do Mundo” em ascensão

Xinhua/Hou Dongtao

Há muito poucos lugares nesta terra onde a humanidade pode transcender as fronteiras da raça e da nacionalidade, onde se pode ir além da perspectiva humana e entender que somos um com o universo.

O Tibet é um desses destinos.

“Há beleza natural em todo o mundo, mas o Tibet é um exemplo de verdadeira beleza natural”, disse o economista americano David Blair. “É ótimo ter a oportunidade de visitar.”

“É muito espiritual”, disse Shaun Rein, outro expatriado americano que vive na China e fundador de uma empresa de pesquisa de mercado com sede em Shanghai.

Convidados pelo programa China Chat da Xinhua, Blair e Rein passaram uma semana na Região Autônoma do Tibet, no sudoeste da China, em uma missão de busca de fatos para adquirir experiência em primeira mão da vida cotidiana dos tibetanos, do desenvolvimento socioeconômico local e da verdadeira face do novo Tibet, possivelmente um dos lugares mais incompreendidos do mundo.

Foto aérea tirada em 27 de junho de 2020 mostra uma floresta protegida ao longo do rio Yarlung Zangbo em Shannan, Região Autônoma do Tibet, sudoeste da China. (Xinhua/Jigme Dorje)

Este ano marca o 70º aniversário da libertação pacífica do Tibet. Em 23 de maio de 1951, o governo central da República Popular da China, ainda em sua infância, assinou um acordo com o governo local do Tibet sobre a libertação pacífica da região, ajudando os tibetanos a se libertarem dos grilhões dos invasores imperialistas para sempre.

Uma reforma democrática subsequente no final da década de 1950 aboliu a teocracia e a servidão feudal no Tibet. O 14º Dalai Lama, fiel defensor do sistema de servidão e escravidão que dominava o velho Tibet, fugiu da China na esteira de um golpe fracassado para resistir à reforma.

Essas grandes mudanças, como observado no livro de 1983 do jornalista americano falecido Israel Epstein, o Tibet Transformado, “foram profundamente emancipatórias, fisicamente e mentalmente, para a esmagadora maioria dos tibetanos”.

Com forte apoio do governo central e do restante da China, e impulsionado pelos grandes esforços de pessoas de todos os grupos étnicos da região, o Tibet está alcançando outras partes do país em termos de desenvolvimento socioeconômico.

Um novo Tibet socialista moderno que está unido, próspero, culturalmente avançado, harmonioso e belo está tomando forma, sustentado pela estabilidade sustentável e rápido desenvolvimento

 

CONECTIVIDADE: ESTRADAS, INTERNET E INFRAESTRUTURA

Tendo vivido na China durante a maior parte dos últimos 24 anos e viajado pela primeira vez para o Tibet em 2001, Shaun Rein, fundador e diretor-gerente do China Market Research Group, temia que seu retorno à região seria uma viagem de volta no tempo para o Tibet de antigamente, para uma região deixada para trás pelo restante do país.

Antes de seu retorno ao Tibet, Rein se preparou para o pior e disse à sua equipe que provavelmente não seria capaz de contatá-lo devido à falta de acesso ao telefone ou internet.

No entanto, Rein teve uma surpresa agradável. Hoje, rodovias rápidas conectam a capital Lhasa a outras cidades menores da região, enquanto torres de telefonia celular se espalham na paisagem, proporcionando velocidades incríveis de Internet.

Foto tirada em 17 de julho de 2020 mostra antílopes tibetanos perto da vila de Rongmar, no distrito de Nyima, na Reserva Natural Nacional de Qiangtang, na Região Autônoma do Tibet, sudoeste da China. (Xinhua/Chogo)

Rein ficou chocado com as mudanças no setor de transporte do Tibet nos últimos 20 anos, mesmo que eles empalidecessem em comparação com os testemunhados por Epstein enquanto ele fazia uma viagem de 12 dias de jipe e caminhão de Chengdu, na Província de Sichuan, para Lhasa, em 1955.

Desde 1951, o Tibet gradualmente construiu uma ampla rede de transporte composta por rodovias, ferrovias e rotas aéreas.

De acordo com um livro branco emitido pelo Departamento de Comunicação do Conselho de Estado da China em maio, 118.800 quilômetros de rodovias foram construídas, fornecendo acesso a todas as aldeias administrativas da região. Noventa e quatro por cento das vilas e 76% das aldeias administrativas têm agora acesso direto a estradas de asfalto e concreto.

Construir e consertar estradas no Tibet pode ser muito caro, e muitas das estradas estão subutilizadas devido à baixa densidade populacional em partes mais remotas da região, de acordo com Dong Gengyun, um funcionário de Beijing que foi enviado para Lhasa em uma tarefa de três anos para apoiar o desenvolvimento do Tibet.

“Mas temos que fazê-lo, porque não estamos aqui para passear, mas para ajudar a desenvolver a economia local e melhorar a subsistência das pessoas”, disse Dong.

David Blair, vice-presidente e economista sênior do Centro para a China e Globalização, com sede em Beijing, considera os gastos com infraestrutura como críticos porque permite que as pessoas gerem negócios. No Tibet, ele viu pessoas montando B&Bs e até centros de inovação.

“Em muitas áreas remotas dos Estados Unidos, você não tem internet de alta velocidade, seja por rede sem fio ou com fio, e não há incentivo para fornecê-la”, disse Blair, espantado com a “grande conectividade 4G em uma pequena aldeia no centro do Tibet.

 

OPORTUNIDADES: ADOLESCENTES, PEREGRINOS E EMPRESÁRIOS

Não havia nenhuma escola no sentido moderno da palavra no antigo Tibet. A taxa de analfabetismo ultrapassava 95%, para não falar da completa falta de compreensão da ciência e tecnologia modernas.

Fundada em 1956 com apenas 20 a 30 alunos, a Escola Secundária de Lhasa, no centro da cidade, é a primeira escola secundária moderna e normalizada na história do Tibet.

Atualmente, a escola tem cerca de 3.000 alunos, com tibetanos representando cerca de 62%, indicou Tang Yong, o diretor da escola.

O economista americano David Blair (1º à Esquerda), a jornalista da Xinhua Miao Xiaojuan (C) e Shaun Rein, expatriado americano que vive na China e fundador de uma empresa de pesquisa de mercado com sede em Shanghai, conversam na Rua Barkhor em Lhasa, Região Autônoma do Tibet, sudoeste da China, em 19 de maio de 2021. (Xinhua/Xu Yongzheng)

De 1951 a 2020, o governo central investiu 224 bilhões de yuans (US$ 35 bilhões) na educação do Tibet. Atualmente, a região já tem um sistema educacional moderno estabelecido, incluindo pré-escola, escolas primárias e secundárias, escolas profissionais e técnicas, instituições de ensino superior e instituições de educação especial.

De acordo com Gong Xiaotang, secretário do Partido da Escola Profissional Secundária Nº2 de Lhasa, o Tibet assumiu a liderança na China ao oferecer aos alunos 15 anos de ensino obrigatório com financiamento público.

Os alunos da escola profissional podem escolher entre uma grande variedade de cursos, incluindo culinária, vestuário tradicional tibetano e produção de medicamentos, pintura thangka e outras disciplinas. A escola também ensina administração de hotéis, contabilidade, design de propaganda e operação de drones.

“Fiquei impressionado com as crianças. Elas estavam aprendendo uma habilidade que lhes renderia dinheiro e parecem entender isso desde muito jovens”, disse Blair, economista americano. “E fiquei incrivelmente impressionado com o quanto essas crianças sabiam, como eram trabalhadoras e como estão dedicadas a construir os seus próprios futuros.”

Ele também ficou admirado com um centro de fabricação em Lunang, na cidade de Nyingchi, onde os alunos do primário são ensinados a usar computadores e impressoras 3D.

“Eles estão criando um espírito de dinamismo nas crianças pequenas, e isso vai compensar”, indicou Blair, observando que os jovens crescerão sonhando em ser inovadores, construir negócios e aproveitar oportunidades econômicas.

A Rua Barkhor, que circunda o Templo Jokhang, patrimônio mundial da UNESCO e parte do conjunto histórico do Palácio Potala, é o circuito de peregrinos mais famoso de Lhasa e está sempre repleto de peregrinos de toda a região. Os fiéis completam o circuito no sentido horário, girando suas rodas de oração na mesma direção.

Existem mais de 1.700 locais para atividades budistas tibetanas com 46.000 monges e freiras no Tibet, enquanto as atividades religiosas tradicionais são realizadas regularmente de acordo com a lei.

Todos os anos, grandes somas de dinheiro são gastas pelo governo na renovação e manutenção do Palácio Potala para garantir que os peregrinos tenham um ambiente seguro onde possam praticar sua religião, de acordo com Jorden, diretor do escritório administrativo do Palácio Potala.

“Vimos que muitas pessoas ainda mantêm seus ideais religiosos e, ao mesmo tempo, não querem ser pobres por causa disso”, afirmou Blair.

Este sentimento obteve o consenso de Rein, que descobriu que as crenças religiosas dos tibetanos não são nenhum obstáculo para a prosperidade econômica. “Eu não acho que haja uma desconexão ou conflito entre os dois”.

Em 2020, a renda disponível per capita das pessoas no Tibet foi o dobro do valor de 2010. A renda média disponível per capita dos residentes rurais teve um crescimento de dois dígitos nos últimos 18 anos, enquanto a dos residentes urbanos em 2020 atingiu 41.156 yuans, um aumento anual de 10%.

Rein acredita que a parte mais impressionante da viagem foi ver a ascensão da classe média no Tibet, já que um número crescente de habitantes locais saíram da pobreza. “Quando você tem uma classe média vibrante, você tem uma sociedade vibrante, sustentável e bem-sucedida”, disse ele.

Tendo testemunhado a implementação da política de Beijing apoiando pequenas empresas e incentivando o empreendedorismo em massa no Tibet, Rein e Blair estão otimistas sobre o desenvolvimento futuro da região, bem como da economia chinesa.

Entretanto, a descoberta de um modelo de negócios viável continua sendo o maior desafio para o Tibet, de modo que a região possa, em última instância, desistir do apoio do resto do país, observou Blair.

 

REALIDADE: ADEUS ÀS MENTIRAS E CALÚNIAS

Enquanto Epstein escrevia sobre o entusiasmo e a paixão pela vida reacendidos entre os tibetanos comuns desde a reforma democrática, Rein e Blair observaram um Tibet muito distante de sua representação na mídia ocidental.

Rein e Blair viram por si próprios os sinais e o software bilíngues usados por médicos para escrever diagnósticos para pacientes no Hospital de Medicina Tibetana da Região Autônoma do Tibet, bem como para alunos aprendendo a língua tibetana em uma sala de aula na Escola Secundária de Lhasa.

“Ficou muito claro que o governo está fazendo um bom trabalho na proteção da cultura e da língua tibetana”, disse Rein, acrescentando que estava chateado com as acusações infundadas feitas pelo ex-secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e seu sucessor Antony Blinken.

BEIJING, Dec. 8, 2020 (Xinhua) — Photo taken on May 16, 2020 shows the scenery of Mount Qomolangma at sunset. The new height of Mount Qomolangma, the world’s highest peak, is 8,848.86 meters, China and Nepal jointly announced on Tuesday. (Xinhua/Purbu Zhaxi)

“Não gosto da falsa narrativa que Blinken está perpetuando depois de Pompeo, sobre a qual muitos meios de comunicação dos EUA estão falando simplesmente porque a China quer criar um país patriótico e unificado”, disse Rein.

O termo também incomodou Blair, que mencionou que tais acusações graves não deveriam ser feitas tão leve. “Não acho que algo assim esteja acontecendo, então devemos tirar esse termo da mesa”, disse ele.

A população do Tibet aumentou de 1,23 milhão em 1959 para 3,5 milhões em 2019, com a etnia tibetana respondendo por mais de 90% da população total na região. A expectativa de vida média no Tibet atingiu um recorde de 71,1 em 2020, o dobro de 1951.

A China atribui grande importância à proteção e ao desenvolvimento da cultura tibetana tradicional, com o estudo e o uso da língua tibetana protegidos pela lei. A região tem agora 16 periódicos e 12 jornais em língua tibetana, e publicou mais de 40 milhões de cópias de 7.185 livros em língua tibetana. Além disso, o idioma é amplamente utilizado nos setores de saúde, serviços postais, comunicações, transporte, finanças e ciência e tecnologia.

Rein e Blair também descobriram que os tibetanos mais jovens parecem ser os mais otimistas de todos os diferentes segmentos da sociedade, graças aos grandes avanços feitos na qualidade de vida dos habitantes locais.

Como os primeiros dois estrangeiros a visitarem a Estação Hidrelétrica de Zam ao longo do Rio Yarlung Zangbo, a maior usina desse tipo no Tibet, eles ficaram felizes em ver o equilíbrio alcançado entre o desenvolvimento e a proteção ambiental.

A usina hidrelétrica fornece atualmente de 30% a 35% das necessidades de energia do Tibet, economizando cerca de 400 mil toneladas de óleo diesel a cada ano, de acordo com Liu Feng, responsável por sua operação.

Desde 1978, quando a China iniciou sua campanha de reforma e abertura, o Comitê Central do Partido Comunista da China realizou sete reuniões nacionais sobre o Tibet, tomando decisões e planos importantes para a região.

A China começou a fornecer apoio em pares para o Tibet em 1994, com departamentos do governo central, outras províncias e unidades administrativas equivalentes, juntamente com empresas estatais administradas centralmente, oferecendo assistência em pares por meio de 6.330 projetos, representando um investimento total de 52,7 bilhões de yuans até 2020. Um total de 9.682 funcionários destacados foi selecionado e enviado para ajudar a região durante o período.

Segundo Rein, essas políticas mostram que todo o país vem tentando progredir e trabalhar em conjunto para construir uma China forte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *