China adotará instrumentos financeiros para apoiar grandes projetos e expandir programas de emprego em projetos-chave

Vice-presidente chinês apresenta proposta de 4 pontos sobre desenvolvimento de laços China-Filipinas
(RAEHK 25) John Lee é empossado como chefe do Executivo do sexto mandato da RAEHK

China adotará instrumentos financeiros para apoiar grandes projetos e expandir programas de emprego em projetos-chave

Construtores trabalham no local de obras de um túnel, que faz parte de uma ferrovia de alta velocidade ligando Shenyang às Montanhas Changbai, na Província de Liaoning, no nordeste da China, em 20 de abril de 2022. (Xinhua/Yang Qing)

Beijing, 30 jun – A China adotará instrumentos financeiros de políticas e de desenvolvimento para apoiar o progresso dos grandes projetos, em um esforço para expandir o investimento efetivo e estimular o emprego e o consumo, segundo a decisão tomada pela Reunião Executiva do Conselho de Estado presidida pelo primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, na quarta-feira.

   A reunião destacou a necessidade de implementar a política monetária prudente para um bom efeito, aproveitar melhor as ferramentas estruturais de política monetária e aumentar a capacidade do setor financeiro de servir a economia real, de modo a manter estável o desempenho econômico geral e garantir o emprego e a subsistência das pessoas.

   Os instrumentos financeiros de políticas e de desenvolvimento são projetados para aumentar o apoio ao financiamento de grandes projetos, desempenhando um maior papel orientador, sem recorrer a estímulos maciços ou fornecimento excessivo de dinheiro.

   Eles servirão para melhorar o mecanismo de transmissão da política monetária, melhor igualar depósitos e empréstimos bancários em volume e estrutura, e gerar os efeitos combinados de impulsionar o investimento, o consumo e o emprego.

   “Os instrumentos financeiros de políticas e de desenvolvimento serão utilizados para orientar o setor financeiro para um maior apoio à economia real”, disse Li.

   A reunião decidiu empregar instrumentos financeiros de políticas e de desenvolvimento com um volume combinado de 300 bilhões de yuans (US$ 44,7 bilhões) por meio da emissão de títulos financeiros. Os recursos são projetados para repor o capital para grandes projetos, como nova infraestrutura, sem exceder metade do investimento total, ou para servir como financiamento temporário para projetos financiados por títulos de uso especial.

   As políticas fiscais e monetárias funcionarão em conjunto. O governo central dará um subsídio de juros de dois anos aos bancos conforme apropriado para o investimento real em ações feito sob os fundos. As instituições financeiras serão orientadas a melhorar o financiamento de apoio, atrair investimentos privados e gerar mais ganhos econômicos reais o mais rápido possível.

   “Muitos dos principais projetos identificados pelos governos central e locais são projetos de infraestrutura, incluindo os novos tipos de infraestrutura. A criação desses fundos de investimento ajudará a estimular os governos locais a gerar mais ganhos econômicos reais o mais rápido possível”, disse Li.

   A reunião também decidiu ampliar programas de empregos públicos em projetos-chave, em um esforço para criar mais empregos e aumentar a renda dos trabalhadores migrantes rurais. Ao garantir a qualidade e a segurança, os principais projetos investidos pelo governo devem priorizar o uso de programas de empregos públicos.

   Um conjunto de programas de empregos públicos financiados pelo investimento orçamentário central será lançado na construção de instalações de apoio sob projetos-chave. A participação da remuneração do trabalho no financiamento orçamentário central será aumentada dos 15% anteriores para mais de 30%.

   Os requisitos serão especificados para os preparativos do projeto, construção e outras etapas. Medidas serão tomadas para garantir que as remunerações do trabalho sejam pagas em dia e integralmente.

   O encontro ressaltou que, apesar das notáveis conquistas feitas no desenvolvimento dos transportes, a China ainda tem uma densidade bastante baixa de redes de transporte por população. São necessários maiores esforços para fortalecer áreas fracas para estimular o consumo e o emprego e apoiar melhor o desenvolvimento econômico e social.

   Uma série de novos projetos serão lançados este ano para conectar vias expressas nacionais, abordar trechos congestionados de rodovias provinciais, desenvolver hidrovias interiores e melhorar as funções dos portos. As instituições financeiras serão encorajadas a fornecer empréstimos de longo prazo e com juros baixos.

Os comentários estão encerrados.