Medida de inflação do Fed dos EUA registra maior aumento anual desde início da década de 1990

Agência de Notícias Xinhua e jornal brasileiro A Tarde assinam acordo de cooperação
31 migrantes morreram em tentativa de travessia do canal da França

Medida de inflação do Fed dos EUA registra maior aumento anual desde início da década de 1990

Washington — Uma medida-chave da inflação dos EUA observada de perto pelo Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) em outubro registrou seu maior aumento anual desde o início dos anos 1990 em meio a gargalos na cadeia de suprimentos, informou o Departamento de Comércio dos EUA na quarta-feira.

O índice de preços de despesas de consumo pessoal (PCE), a medida de inflação preferida do Fed, saltou 5 por cento em outubro em relação ao ano anterior, o ritmo anual mais rápido desde novembro de 1990, de acordo com o departamento.

O chamado índice de preços PCE, que elimina os preços voláteis de alimentos e energia, subiu 4,1 por cento em relação ao ano anterior, o ganho mais rápido desde janeiro de 1991, bem acima da meta de inflação do Fed de 2 por cento.

“Os números recordes do deflator PCE aumentarão a pressão sobre o Fed, já que o mercado está precificando um ritmo mais rápido de redução e um início mais precoce de aumentos nas taxas no próximo ano”, disse Tuan Nguyen, economista da firma de contabilidade e consultoria, RSM US. LLP, disse na quarta-feira em uma análise.

“Esperamos uma aceleração das operações de redução gradual na reunião de dezembro, o que abrirá uma porta para um aumento das taxas antes do previsto por volta de dezembro de 2022. Também existe a possibilidade de um aumento das taxas já em setembro”, disse Nguyen.

O Fed se comprometeu a manter a taxa de fundos federais inalterada no nível recorde de quase zero desde o início da pandemia. O banco central começou na semana passada a reduzir seu programa mensal de compra de ativos de 120 bilhões de dólares americanos em 15 bilhões de dólares. Nesse ritmo, o Fed encerraria suas compras de ativos até junho do próximo ano.

Enquanto as autoridades do Fed “geralmente apoiavam” o plano de reduzir as compras de ativos em 15 bilhões de dólares por mês, algumas autoridades do Fed queriam um ritmo mais rápido para dar ao banco central liberdade para aumentar as taxas mais cedo, de acordo com a ata da recente reunião de política do Fed divulgada na quarta-feira.

“Vários participantes observaram que o Comitê deve estar preparado para ajustar o ritmo de compras de ativos e aumentar o intervalo da meta para a taxa de fundos federais mais cedo do que os participantes atualmente anteciparam se a inflação continuasse correndo acima dos níveis consistentes com os objetivos do Comitê”, afirmou o Fed nas atas de sua reunião de 2 a 3 de novembro, referindo-se ao comitê de formulação de políticas do Fed.

As atas também mostraram que as pressões inflacionárias dos EUA podem levar mais tempo para ceder do que os funcionários do Fed haviam avaliado anteriormente.

“Eles observaram que a onda Delta intensificou os impedimentos às cadeias de abastecimento e ajudou a sustentar o alto nível de demanda de bens, aumentando a pressão de alta sobre os preços”, segundo a ata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *