Comentário: Precisamos do verdadeiro multilateralismo para enfrentar as mudanças climáticas

Mais alto consultor político pede sistema de educação de alta qualidade
Confiança de Serviços sobe 4,1 pontos em abril, diz FGV

Comentário: Precisamos do verdadeiro multilateralismo para enfrentar as mudanças climáticas

Na Cúpula do Clima realizada no dia 22, o presidente chinês, Xi Jinping, pediu a construção de uma comunidade em harmonia entre a humanidade e a natureza. Ele enfatizou mais uma vez nos princípios de insistir no multilateralismo e no princípio de responsabilidades para todos, mas diferenciadas.

O tratamento das mudanças climáticas não deve ser uma moeda de troca para a geopolítica, e o multilateralismo opcional não é o verdadeiro multilateralismo. Segundo Xi Jinping, todos os países precisam respeitar a Lei Internacional e a justiça, aplicar ações eficazes, defender o sistema internacional com a ONU como o núcleo e observar a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima e o Acordo de Paris. Estes são os princípios básicos e nenhum país deve criar outras regras contra eles.

Além disso, por causa das diferenças dos níveis de desenvolvimento, das condições econômicas e das capacidades tecnológicas, não seria razoável que os países em desenvolvimento assumissem as mesmas responsabilidades e deveres que os países desenvolvidos, pois especialmente nos tempos atuais, sob o contexto da pandemia, os países em desenvolvimento estão enfrentando mais dificuldades. Por isso, aceitar que esses países possuem responsabilidades diferenciadas é outro princípio indispensável.

Xi Jinping pediu que os países desenvolvidos mostrem mais determinação e ambição e ofereçam mais apoio financeiro e tecnológico aos países em desenvolvimento.

Na 75ª Assembleia da ONU realizada no ano passado, Xi Jinping fez um compromisso de que a China atingirá o pico da emissão de carbono até 2030 e realizará a neutralidade de carbono antes de 2060. Na ocasião, o líder chinês disse que nos próximos cinco anos, o país controlará o aumento do consumo de carbono de forma mais rigorosa.

Na mesma ocasião, o presidente norte-americano, Joe Biden, também disse que até 2030, a emissão de carbono nos Estados Unidos deverá reduzir pelo menos 50% em comparação com 2005. Isso também é um sinal muito positivo após o retorno do país ao Acordo de Paris.

Segundo o relatório recém-publicado pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), 2020 foi um dos três anos mais quentes na história da humanidade. O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que já não temos tempo a perder. Todos os países precisam agir imediatamente para participar desta guerra a fim de defender nossa Terra. Neste momento, críticas já não adiantam e a cooperação é o mais importantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *