China insta que G7 pare de interferir em seus assuntos internos

Shanghai corta transmissão comunitária de COVID-19
Cientistas chineses propõem busca por planetas habitáveis próximos

China insta que G7 pare de interferir em seus assuntos internos

Beijing, 17 mai  — A China exigiu nesta segunda-feira que o Grupo dos Sete (G7) pare de difamar o país e interferir nos seus assuntos internos.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, fez as observações em uma coletiva de imprensa diária ao comentar o comunicado emitido após uma reunião dos ministros das Relações Exteriores do G7, que contém vários itens relacionados à China, incluindo Hong Kong, Xinjiang, direitos humanos, questões marítimas, situação na Ucrânia, paz e estabilidade através do Estreito de Taiwan, entre outros.

“As posições da China sobre assuntos relacionados a Hong Kong, Xinjiang e Taiwan, bem como questões marítimas, são consistentes e claras”, explicou Zhao, acrescentando que o país expressou sua firme oposição à presidência do G7.

“O longo comunicado do G7 está cheio de alegações absurdas que não valem a pena refutar. Com total desrespeito à posição solene da China e aos fatos objetivos, ele interfere grosseiramente nos assuntos internos, calunia e difama maliciosamente o país e mais uma vez exerce pressão usando pretextos como o conflito Rússia-Ucrânia”, afirmou Zhao.

A China exige que o G7 defenda o sistema internacional com as Nações Unidas em seu núcleo, a ordem internacional baseada no direito internacional e as normas básicas das relações internacionais baseadas nos propósitos e princípios da Carta da ONU, disse Zhao, pedindo que o grupo respeite a soberania da China e pare de difamar o país e interferir nos seus assuntos internos de qualquer forma.

“Pedimos que o G7 aja no interesse da paz e do desenvolvimento mundial, pare de aplicar padrões duplos ou múltiplos, deixe de enviar aeronaves militares e navios de guerra às portas de outros países para mostrar os músculos a cada momento, acabe com a instigação desenfreada de revoluções de cores em outros países, pare de recorrer arbitrariamente a sanções ilegais ou jurisdição de braço longo e interrompa a fabricação e disseminação de mentiras e rumores sobre a China”, destacou.

Zhao também pediu que o G7 assuma sua responsabilidade, cumpra sua devida obrigação internacional, salvaguarde o multilateralismo verdadeiro, se foque na governança global, fortaleça a cooperação com a ONU, o G20 e outros mecanismos multilaterais e desempenhe um papel positivo no enfrentamento dos desafios globais e na promoção da recuperação econômica mundial, em vez de se apegar à mentalidade da Guerra Fria e aos preconceitos ideológicos, perseguir a política de grupo de “pequena camarilha”, criar confrontação e divisão e trazer caos ao mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *