Ampliação: China pede rastreamento de origem da COVID-19 em vários países e regiões

Ampliação: Acusação de que vírus vazou de laboratório de Wuhan vai contra ciência, diz funcionário
China fornece ao mundo mais de 600 milhões de vacinas contra COVID-19

Ampliação: China pede rastreamento de origem da COVID-19 em vários países e regiões

Beijing, 22 jul – A China espera que a Organização Mundial da Saúde trate genuinamente o trabalho de rastreamento da origem da COVID-19 como uma questão científica, se livre da interferência política e promova ativa e prudentemente o trabalho de rastreamento a ser realizado continuamente em vários países e regiões do mundo, disse Zeng Yixin, vice-chefe da Comissão Nacional de Saúde, nesta quinta-feira.

O que foi realizado na primeira etapa do rastreio da origem, especialmente aqueles que chegaram a uma conclusão clara, não deve ser repetido, disse Zeng em coletiva de imprensa sobre o trabalho de rastreamento da origem da COVID-19.

O que deve ser feito é o rastreamento da origem dos primeiros casos, epidemiologia molecular e hospedeiros intermediários em vários países e regiões com base em extensas consultas entre os Estados-membros da OMS, observou Zeng.

Conforme um acordo entre a China e a OMS em julho de 2020, uma equipe da OMS composta por especialistas internacionais chegou a Wuhan em 14 de janeiro. Eles formaram um corpo conjunto com especialistas chineses para a parte chinesa do estudo global sobre as origens do novo coronavírus, comentou.

A equipe estudou uma enorme quantidade de dados relacionados à epidemia e visitou nove instalações, incluindo o Hospital Jinyintan de Wuhan, o mercado de frutos do mar de Huanan e o Instituto de Virologia de Wuhan, subordinado à Academia Chinesa de Ciências. A equipe realizou um amplo intercâmbio com trabalhadores médicos locais, pesquisadores de laboratório, cientistas e gerentes do mercado. Eles também entrevistaram assistentes sociais, trabalhadores comunitários, residentes e pacientes curados, detalhou Zeng.

Entre os resultados do estudo conjunto, um coronavírus altamente semelhante ao novo coronavírus em sequências genéticas foi encontrado em morcegos e pangolins. Mas a semelhança não é suficiente para torná-lo um ancestral direto do novo coronavírus.

Os especialistas identificaram quatro hipóteses para a fonte de transmissão do novo coronavírus para a população humana, incluindo transbordamento zoonótico direto, alimentos de cadeia fria, uma espécie hospedeira intermediária e um incidente relacionado a laboratório.

O estudo conjunto apontou que um incidente laboratorial é “extremamente improvável” como a causa da COVID-19.

A introdução através de uma espécie hospedeira intermediária é “a via de transmissão mais provável”.

Se algum país precisa de mais estudos sobre as fontes relacionadas a laboratórios, especialistas chineses sugerem que vá para nações que têm laboratórios semelhantes ao de Wuhan que não foram investigados, para saber mais sobre possíveis problemas de vazamento, sugeriu Liang Wannian, líder da equipe do lado chinês do grupo conjunto.

Liang acrescentou que, no estudo conjunto, especialistas chineses mostraram a especialistas estrangeiros os dados de 174 casos iniciais, trabalharam com eles na análise das informações e chegaram à conclusão juntos.

Para proteger a privacidade dos pacientes, especialistas chineses não forneceram dados brutos a especialistas estrangeiros, aos quais estes expressaram total entendimento e disseram que se tratava de uma prática internacional, acrescentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *